Notícias | Prefeitura Municipal de Umuarama

Notícia

Notícia

Castrapet inicia nesta quarta-feira castração de mais de 450 animais

Compartilhar:
29 de jun de 2021 Agricultura e Meio Ambiente
Imagem Castrapet inicia nesta quarta-feira castração de mais de 450 animais
Castrapet inicia nesta quarta-feira castração de mais de 450 animais

Em parceria com a Prefeitura de Umuarama, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) inicia nesta quarta-feira (30) a execução do Programa Permanente de Esterilização Cirúrgica de Cães e Gatos (Castrapet Paraná), com apoio da Unidade Móvel de Esterilização e Educação em Saúde (UMEES) que atenderá na Escola Municipal Senador Souza Naves.

A castração gratuita é oferecida para animais a partir dos quatro meses de idade até no máximo oito anos, de ambos os sexos, e objetiva assegurar o controle populacional especialmente entre animais de rua, recolhidos por abrigos, e os que vivem com famílias em situação de vulnerabilidade social.

Os procedimentos cirúrgicos serão realizados em uma estrutura montada na quadra da escola, entre esta quarta e o dia 8 de julho (exceção ao domingo, 04/07), das 8h às 15h, até o limite 457 castrações – média de 85 animais agendados por dia. Os cadastros foram realizados nos últimos dias, na Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, no Paço Municipal. Animais que excederem o limite serão inclusos em uma lista de reserva e aguardarão uma nova etapa do Castrapet.

A empresa contratada seguirá um cronograma diário: 8h – 20 felinos (machos e fêmeas); 9h – 15 felinos (machos e fêmeas); 10h30 – 15 cães machos; 13h – 10 cães fêmeas; 14h – 10 cães fêmeas; 15h – 10 cães fêmeas; 15h – cinco cães machos. “Animais excedentes serão atendidos apenas se houver desistência ou reprovações nos exames pré-anestésicos”, informou o diretor de Meio Ambiente da Prefeitura, Matheus Michelan Batista.

O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, que visitará a edição local do Castrapet e é um dos maiores responsáveis pelo programa, lembra que animais soltos nas ruas podem ser portadores de diversas zoonoses transmissíveis ao ser humano e se tornar um problema de saúde pública aos municípios. “A vida desses animais está diretamente relacionada com o ser humano, a sociedade e o meio ambiente. Pensando nesse equilíbrio criamos o Castrapet, uma ação permanente que beneficiará todo o Paraná”, disse.

DETALHES

Os tutores devem chegar à Escola Souza Naves com pelo menos 15 minutos de antecedência ao horário da cirurgia, para conferência de cadastro e orientações. Quem tiver mais de um animal cadastrado deve observar os horários distintos para cães e gatos. “Se a mesma pessoa tiver cães e gatos deve se atentar aos horários do jejum, a fim de que nenhum animal seja reprovado na avaliação clínica”, acrescentou.

O município definiu alguns critérios para organizar o procedimento. Desta forma, serão atendidos animais recolhidos e preparados pela Sociedade de Amparo aos Animais de Umuarama (Saau), depois os animais de famílias em situação de vulnerabilidade social que possuam mais de um cão ou gato na residência, com preferência para castração de fêmeas e por fim, de maneira igualitária, os loteamentos de interesse social no município. Para evitar aglomeração, apenas um tutor poderá acompanhar o animal, de posse de seus documentos pessoais.

PREPARATIVOS

É importante que o pet esteja com as vacinas em dia, em jejum alimentar por no mínimo seis horas (e no máximo 12) e, pelo menos, há quatro horas sem beber água; deve tomar banho um dia antes da cirurgia e ser levado para a castração de forma segura (com guia, coleira ou caixa de transporte e focinheira, se necessário). O tutor deve manter o animal em local arejado, pois ele passará por avaliação clínica e se for considerado inapto a cirurgia não será realizada.

Durante o procedimento, o tutor deve permanecer no local. Será distribuída medicação pós-operatória e orientações sobre a medicação. Após a anestesia os animais podem ficar confusos e estranharem os donos, portanto deve-se ter cuidado para evitar ataques e manter supervisão até que o comportamento se normalize. Eles também podem andar de forma descoordenada e devem ser mantidos aquecidos.

“Não permita que seu animal lamba a ferida cirúrgica. Se preciso, mantenha-o com o colar elisabetano ou com a malha de proteção até a retirada dos pontos. É importante limpar a ferida diariamente com água e sabão”, completou Matheus Batista.

Vídeos relacionados

Veja mais